É tempo de colheita

É tempo de colheita, meu amigo…

Do alpendre levanto os olhos cansados
E vejo o firmamento
Com suas nuvens negras
Escondendo o ardente sol.

O dia torna-se noite,
E quem estava à espreita
Revela-se com seus olhos famintos,
Sedentes de puras almas.

É tempo de colheita, meu amigo…

O mundo já se perdeu,
E as crianças estão sozinhas
Com smartphones em suas mãos,
Revendo e repetindo palavras insanas.

Não adianta tentar correr
Nem se esconder ou suplicar,
Pois a tardia escuridão chegou,
Enquanto compartilhávamos falsos sorrisos.

É tempo de colheita, meu amigo…

Ano após ano uma lição não aprendida,
Continuamos livrando os ladrões,
Seguindo quem tem mais curtidas,
Embelezados por pó em pincéis.

Sim, o dia tornou-se noite
Agora ouço os gritos em covas,
Fecho os olhos e sento no gramado,
Esperando a colheita que já tardou em vir.

 

Leia mais: 

Encontre a Luz

imagem:

https://padrepauloricardo.org/blog/ferias-a-colheita-do-diabo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s