Muros

Toda vez que olho para o horizonte
Penso em coisas impossíveis
Penso em voar e ser livre
Sonho em transpassar
este muro que me cerca.

Essas visões abstratas
atormentam meus pensamentos
e tornam meu corpo uma navalha
que ceifa a busca pelo tangível.

Apenas me resta uma fissura
tão fina, tão pequena, porém
com uma profundidade longe
ao alcance visual comum.

Sinto o incomum
Vejo o invisível
Toco o imaginário

Quero ver além do muro
Quero ver o que há além das sombras
Sentir o calor dos normais
Falar de coisas reais
Com pessoas reais

Mas, entorpeço-me cada vez mais,
Quero morrer e poder voar
além do horizonte
e conhecer universos além.

Estou só,
deixo-me derrotar por ele…

Que é tão alto
Tão invencível
Tão espesso
Tão profundo

Estou com medo,
medo de perder
medo de morrer.

O que me resta
Nesta vida desgraçada?

O muro cairá,
Estarei embaixo,
Gritarei agonizante
a minha dor, enquanto
a morte, lentamente se aproximará.

O horizonte, quanto penso que é belo,
Brindemos, então,
mais uma vez,
e mais outra,
a minha eterna prisão.

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s