Ao leito se vai

O mar, teus negros olhos!
um abismo de angústias
refletidas em tuas trêmulas mãos.

Um sentimento de culpa
tangencia minha pobre alma,
sou um nauta sem direção.

Refletindo em meu âmago
o motivo de ver-te assim,
sofro c’uma introspecção,
minhas noites, meu sentir.

As estrelas desaparecem,
mas em minha sã tortura
apenas vejo mais um nascer do dia
entre as cortinas que tremulam.

Olho-te novamente,
seus lábios em tom violeta
balbuciam perdidas palavras
diante dos sonhos sem sentido.

Quem sabe noutro amanhã
eu possa descobrir verdadeiramente
o enigma que te envolve
nestes velhos traços pueris.

Enquanto isso faleço,
permaneço ao seu lado
segurando tuas brancas mãos
vendo teus olhos se vitrificarem.

Meu respirar pensativo
condena-me à eternidade,
por não saber,
neste estado terminal,
nem ao menos como te fazer sorrir.

arte tere
imagem: http://coisasdetere.tumblr.com/post/109626121725/kemal-kamil-arte-contempor%C3%A2nea

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s