Documentos para Revalidação e Valores

Para dar entrada no processo de reconhecimento do título de mestrado e/ou doutorado obtido no exterior, alguns documentos básicos são discriminados pelo Ministério da Educação e Cultura, através da Resolução nº 03, de 22 de junho de 2016, do Conselho Nacional de Educação, conforme segue:

I – cadastro contendo os dados pessoais e, quando for o caso, informações acerca de vinculação institucional que mantenha no Brasil;

II – cópia do diploma devidamente registrado pela instituição responsável pela diplomação, de acordo com a legislação vigente no país de origem e;

III – exemplar da tese ou dissertação com registro de aprovação da banca examinadora, com cópia em arquivo digital em formato compatível, acompanhada dos seguintes documentos:

a) ata ou documento oficial da instituição de origem, contendo a data da defesa, o título do trabalho, a sua aprovação e conceitos outorgados; e 

b) nomes dos participantes da banca examinadora e do(a) orientador(a) acompanhados dos respectivos currículos resumidos, com indicação de site contendo os currículos completos.

IV – cópia do histórico escolar, descrevendo as disciplinas ou atividades cursadas, com os respectivos períodos e carga horária total, indicando a frequência e o resultado das avaliações em cada disciplina.

V – descrição resumida das atividades de pesquisa realizadas, estágios e cópia impressa ou em endereço eletrônico dos trabalhos científicos decorrentes da dissertação ou tese, publicados e/ou apresentados em congressos ou reuniões acadêmico-científicas, indicando a(s) autoria(s), o nome do periódico e a data da publicação e/ou nome e local dos eventos científicos onde os trabalhos foram apresentados

VI – resultados da avaliação externa do curso ou programa de pós-graduação da instituição, quando houver e tiver sido realizada por instituições públicas ou devidamente acreditadas no país de origem, e outras informações existentes acerca da reputação do programa indicadas em documentos, relatórios ou reportagens.

Enfatiza a Resolução que os documentos de que tratam os incisos II, IIIa, IV deverão ser registrados por instituição estrangeira responsável pela diplomação, de acordo com a legislação vigente no país de origem e apostilado no caso de sua origem ser de um país signatário da convenção de Haia (Resolução CNJ nº 228, de 22 de junho de 2016).

Cabe, ainda à organização universitária publicar a normativa pela qual irá pautar suas avaliações.

Valores

A expedição de cada documento depende de cada instituição de ensino superior, bem como o valor para o processo de reconhecimento.

No caso da universidade na qual realizei o mestrado, a taxa para confecção de cada documento é de 50 euros, e o valor que estão cobrando para fazer os trâmites para apostilar os documentos na Espanha, é de 150 euros por documento.

Para saber, em média dos valores finais, basta somar os documentos e as respectivas taxas. Detalhe é que muitos desconsideram esse valor, que é considerável, no ato da matrícula, e no final se deparam com esse montante.

Portanto, oriento que no momento da inscrição ocorra a indagação sobre os valores da expedição dos documentos e do apostilamento, para que não ocorram grandes surpresas ao final do curso.

Ressalte-se que se a pessoa quiser iniciar o processo de revalidação, todos os documentos são necessários para que o a avaliação tenha subsídios para dar um parecer favorável, mas para aqueles que não desejaram, o diploma, histórico, ata e, é claro, cópia da tese são suficientes.

Acrescente-se, também, os valores do processo, que podem variar bastante, no meu caso a instituição que estou analisando cobra mil reais. Uma das amigas que acompanham o canal comentou que a instituição que ela pesquisou cobra quatro mil reais.

O ideal, como disse, é pesquisar antes e estar preparado para os trâmites finais para a obtenção e revalidação do diploma.

4 comentários

  1. Olá Luís, tenho interesse em estudar uma pós graduação, mais precisamente o Mestrado em Energias Renováveis pela Funiber, ainda estou pesquisando, sobre os riscos de se estudar no modo EAD.
    Venho acompanhando seus vídeos, mas até agora, não tenho certeza se vale a pena! No entanto, para mim, que trabalho e não tenho tempo livre para disponibilizar num mestrado presencial torna-se uma saída promissora e conveniente!
    O ideal será quando o governo brasileiro reconhecer que, o Brasil sim é que deixa a desejar em muitos aspectos da sociedade, principalmente na educação, e que estamos há alguns anos atrasados em termos de politicas sociais de desburocratização, em programas e serviços destinados a sociedade.
    Quanto ao EAD, sou totalmente a favor, pois a raça humana evolui tanto quanto a questão tecnologica, justamente para melhorar, facilitar a vida das pessoas quanto ao tempo, localização geográfica e não reconhecer que a tecnologia não pode susbtituir o presencial é pura vaidade de instituições tradicionais com receio em inovar!
    Hoje em dia, se faz cirurgias por equipamentos com maniseio remoto, se julga réus vídeo e por não se pode estudar e pesquisar utilizando essas tecnologias?
    Desculpe um alongamento! Sou grato pelo espaço! Espero um retorno seu!

    Curtir

  2. Olá Luiz, curso mestrado em Educação pela Funiber, pois estou na reta final iniciando o Projeto Final. Gostaria de saber como está o processo de reconhecimento em EAD agora com a pandemia, tendo em vista que o trabalho remoto e o ensino à distância se acentuou?
    Tenho esperança em conseguir o reconhecimento nesse mestrado em EAD.
    Você tem alguma atualização sobre esses assuntos?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s