Quando um filho se vai

Não há palavra que conforte
o coração de uma mãe
que diz adeus para o seu filho
num triste funeral.

Não há abraço de consolo
nem olhar de plena mansidão
que faça acalmar a alma
de tão profundo sofrimento.

Em pé,
ao lado do corpo ladeado de flores,
a última vez em que ela toca em suas mãos
– agora frias,
que acaricia os seus cabelos
– agora secos,
que vislumbra os seus lábios
– agora azulados,
que encosta em seu peito
– agora rígido.

Quanto sofrimento,
quantas lágrimas para fazê-lo vir ao mundo,
mas nada comparados ao de vê-lo partir.

Aquela dor, logo esquecida
ao ouvir o seu primeiro choro,
ao segurá-lo em seus braços e amamentá-lo.

Mas esta dor,
intransponível,
avassaladora,
profunda.

O que restou agora para essa mãe
que chora à beira do abismo
rogando a Deus para trocar de lugar
com aquele que ela tanto ama?

Dor, incompreensão, egoísmo… lembranças:

os sorrisos daquele banguela bobinho,
dos primeiros passos desajeitados,
das primeiras palavras arrastadas,
dos abraços apertados,
beijos,
meiguices,
carinho…

um retrato na parede,
e naquela velha caixa de recordações,
há tempos esquecida no armário,
um coração vermelho pintado no papel
escrito em letras tortas

TE AMO MAMÃE

te amo mamãe

imagem: https://gartic.com.br/carolzinhaa123/desenho-livre/_1272139010

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s