"O Poder Destruidor da Língua"

O Poder Destruidor da Língua – pense antes de falar”, esse era o título de um panfleto entregue por um menino, na noite de sexta-feira, no centro de Jaraguá do Sul.

A mensagem do panfleto, de cunho religioso, abordava alguns aspectos relacionados às fofocas e outros relacionados à convivência diária.

Entretanto, com base no título, ressalto que a sociedade possui uma cultura essencialmente oral, ou seja, falamos muito mais do que escrevemos. Algumas pessoas, acreditem, depois que saíram da escola, nunca mais projetaram uma palavra em algum papel.
Outras tantas pessoas, como dizem, se pagassem impostos para falar, estariam arruinadas.
Mas a questão é justamente a do título do panfleto: “O Poder Destruidor da Língua – pense antes de falar”.
As palavras possuem significados, elas representam algo de concreto ou abstrato. A palavra casa, por exemplo, faz-nos lembrar de uma casa, e a palavra amor nos faz sentir certo acalento, ou raiva, dependendo de nossas experiências.
Mas, meus caros, restringirei essa reflexão, falarei do poder destruidor que as palavras podem exercer na vida de uma criança.
Você que é pai ou mãe, deve redobrar os cuidados ao falar com seus filhos; principalmente quando estão zangados com eles e estão aplicando uma bela bronca.
Dessa forma, pensem que ao chamá-los de qualquer adjetivo depreciativo como, por exemplo, burros, idiotas, jumentos, et caetera, afirmando que eles não sabem fazer nada certo, ou, ainda, que eles não serão nada na vida; ou vários outros termos que ouvimos os pais falarem aos filhos; pensem que as palavras entrarão no intelecto deles como pequenas sementes que darão frutos.
A qualidade desses frutos, consequentemente, dependem dos estímulos que eles possuem na infância, onde o cérebro se parece com uma grande esponja que absorve tudo o que ouve, sente, vê, toca. – É óbvio que os estímulos, nos momentos de descontrole, não serão os melhores.
Entretanto, temos opções em todas as situações, e quando estamos irritados a premissa é a mesma, ou seja, há várias formas de tratarmos os nossos filhos, a escolha é nossa, e de ninguém mais.
Há grande chance de o seu filho se tornar aquilo que ele ouve todos os dias. Chame-o de burro diariamente, e ele será um burro. Afirme que ele não sabe fazer nada certo; e ele não saberá fazer as coisas.

Troque as palavras negativas que atraem as coisas ruins, por palavras positivas e motivadoras. Aja assim, estimule que todos em sua casa também tenham essa conduta.

Lembre-se sempre: as palavras são sementes. Então plante e cultive o amor em sua vida e na vida das pessoas que você ama.
Finalizando: como dizem: em certos momentos de nossas vidas, não podemos escolher o que colhemos, mas em todos os momentos podemos escolher o que plantamos.

imagem2:http://www.cm-santarem.pt/pracapublica/noticias/Lists/Eventos/DispEvent.aspx?List=6d9a65dd-1c3e-4200-81c5-2e24494da0c7&ID=744
imagem1http://reedfamilyjourney.blogspot.com.br/2011/07/words-hurt.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s